Justiça marca julgamento de madrasta que envenenou enteada

Polícia

25/11/2021 às 07:00

A juíza Mônica Catarina Perri Siqueira, da Primeira Vara Criminal de Cuiabá, marcou para 6 de dezembro o julgamento de Jaíra Gonçalves de Arruda Oliveira, acusada de matar envenenada a enteada Mirella Poliane Chue de Oliveira, à época com 11 anos.

A audiência será realizada de forma presencial, às 9h, no Fórum de Cuiabá.

Na mesma decisão, a juíza negou pedido para converter a prisão preventiva da acusada em domiciliar. Segundo a defesa de Jaíra, a mulher estaria com estado de saúde fragilizado.

Consta do documento que a mulher sofreu um AVC há três anos, e vive com hipertensão e depressão. Ainda segundo a defesa, a mulher precisa da ajuda das companheiras de sela para se locomover.
 
Contudo, a juíza observou que a acusada tem recebido tratamento médico, e que chegoua ficar internada por 15 dias, tendo sido medicada em seguida. Ainda, que a fisioterapeuta designada para acompanhá-la atestou apenas diminuição de força.
"Não há qualquer documento nos autos que comprove que a acusada não consegue se locomover sem ajuda, ou que necessita de aparelhos para facilitar sua locomoção. Acaso fosse a hipótese, o médico ou o fisioterapeuta certamente teria consignado no prontuário", observou a juíza.

A magistrada ainda considerou o fato de que a mulher possui forte influência sobre o marido, pai da menina, que não sabia das ações da companheira até as investigações da Polícia Civil. Por isso, decidiu mantê-la na prisão.

Morte de Mirella

Mirella morreu em 13 de junho de 2019, em um hospital particular de Cuiabá. À época, a família não sabia do crime.

Exames da Politec apontaram duas substâncias no sangue da criança, sendo que uma seria um veneno que provoca intoxicação crônica ou aguda, e leva à morte. Foi então que a Delegacia Especializada na Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Deddica) passou a investigar o caso.

Segundo a Polícia Civil, a menina recebia da madrasta doses diárias de veneno, durante dois meses. A menina chegou a ser internada diversas vezes, com sintomas de vômitos, tonturas e dores de barriga. Até que faleceu.

A motivação seria uma herança que a menina receberia em razão da morte da mãe logo após seu parto, por erro médico. Inicialmente, o valor era apontado como R$ 800 mil. Contudo, o valor recebido pela família seria de R$ 600 mil. Parte desse montante seria embolsado pela criança assim que ela completasse 18 anos. Outra parte fica com a avó materna.

Havia suspeita de que a acusada pudesse ter envenenado o avô paterno da menina, com quem Mirella morava até 2018, quando ele morreu. Foi apenas depois que ela passou a viver com a madrasta.

Em 2020 foi feita exumação do corpo do idoso. Contudo, a conclusão da Politec foi que o avô não teria sido envenenado.

Fonte: Repórter MT


Fotos da notícias

Veja mais

DEIXA UM COMENTÁRIO Clique aqui

Teu email não será publicado.

Enviar comentário